Textos


I
Anatomista
 
Escreve
como quem corta carne,
quem esquarteja sonhos,
retalha
a vida
para vê-la por dentro.
 
Com precisão
tudo examina
e atira fora
as  vísceras
 
Disseca
a base conjuntiva
para chegar ao osso
matéria
que fica
e se mineraliza.

II
Engenho
 
Procede
como quem corta cana
a decepar as palhas,
ponteiros
e brotos
para passar no engenho.
 
Gestos precisos
suor e lâmina
alisa os gomos
processa.
 
Despreza
a bagaceira toda
para reter a essência
garapa
que fica
no tacho da poesia.

III

Engenheiro
 
Planeja
o esquema estrutural
pilares, alicerces,
no espaço
da mente
a desenhar poemas
 
Prepara o solo,
retira entulhos,
detritos, refugos,
calcula.
 
Constrói
no solo da linguagem
deserta de lirismo
em versos
concisos
paisagens de asperezas.


IV

Bagaço
 
Em terra de Severinos
de justiça desprovida
padecem homens-meninos
e de sal é feita a lida.
 
A vida é suor e cana,
feita de fome e cansaço,
que seca a seiva e profana
o corpo em dor, um bagaço.
 
Engenho que mói, tritura
a cana já decepada
não mói o osso, a estrutura,
na roda dura e dentada.
 
O osso na terra fica
a reclamar seu espaço,
não decompõe, petrifica,
fica mais duro que aço.
 
Por isso palavra é pedra
que medra na sua lavra.


 V
Faca afiada
 
Entre inspiração e escrita
o gume da faca fria
transmuda palavra em pedra
(não seixo que o tempo alisa)
palavra-pedra-poesia
que de cada aresta medra.
 
A mesma e precisa faca
que extirpa brotos de cana
e a carne que encobre o osso
rabisca e cimenta versos
na estrutura desenhada
do planejado arcabouço.
 
Da extrema mudez da pedra
extrai o grito que corta
canaviais e desertos.


 VI
Palavra-pedra

O poeta escolhe qual lado
que quer cantar nesse mundo
uns cantam o mel do caldo
de cana que  engenho extraí,
outros cantam sal que fica
do suor que se junta ao humo.
 
João Cabral de Melo Neto
dissecou a carne viva
da miséria do nordeste
para enxergar desde o avesso,
na parte substantiva
o osso que guarda o verso.
 
Sal e pedra, osso-palavra
que o tempo mineraliza
no latifúndio da escrita.



Antonio Baltazar Gonçalves
Antonio Baltazar Gonçalves Os 3 primeiros ('anatomista', 'engenho' e 'engenheiro') descrevem com perfeição, e nos mesmos moldes, as habilidades de João Cabral em construir sentidos com palavras desgastadas pelo uso ou pela miséria na História... Como ele, vc maneja bem demais a 'faca' nesse conjunto de poemas e talha, no osso ou na pedra, com aquela precisão seca mas comovente, um lugar já desenhado mas esquecido dentro da gente... Entre os poemas 'faca afiada' e 'palavra-pedra' há um diálogo interessante que aponta ser a escrita instrumento que dá vida ao que parece inanimado (pedra, seixo, carne, poeira e canavial). No IV poema 'bagaço', o cenário se abre para mostrar as origens do escritor sem contudo delimitá-lo. Pelo contrário, no poema 'o poeta engenheiro' é enaltecido nos próprios termos e a vastidão da arte dele você nos revela esquadrinhando alguns recantos com o cume daquela faca afiada... Adorei! Obrigado por compartilhar, Edir!! (Facebook, 20/05/2017)
Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado)
Enviado por Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado) em 29/05/2017
Alterado em 30/05/2017

Música: Luar do sertão - No sertão, viola

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários