Textos


Ambígua
Edir Pina de Barros

Aqui me tens inerme e a ti exposta
olhos nos olhos, sem defesa alguma,
entregue ao teu olhar que em si se abruma
por entre véus, sem dar-me uma resposta.
 
Teimosamente o meu olhar te arrosta
- te espreita como espreita a caça a puma –
contudo o teu me escapa mudo e, em suma,
tua presença ausente me está posta.
 
Inerme, sem ferrões, porém não morta,
a minha placidez em si comporta
veneno sem antídoto, sem cura.
 
Na minha mansidão moram serpentes
que têm veneno em presas inclementes
que quanto mais retido mais depura.
Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado)
Enviado por Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado) em 14/04/2017
Alterado em 14/04/2017

Música: Alameda das Acácias - Violinos de SP

Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários