Áudios

Nostalgia
Data: 11/05/2017
Créditos:
Texto: Nostalgia
Autoria: Edir Pina de Barros
Voz e edição: Ariadne Cavalcante
Trilha sonora: Valsa sentimental
Composição: Tchaikovsky
Por: Oleksii Semenenko
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


NOSTALGIA

Alembro-me dos tempos de aventura,
os mui felizes dias ao teu lado,
que agora desentranho do passado,

o coração repleno de ternura;

tu eras jovem e eu usava tranças,
e então sonhava mil sonhos doirados,
nas redes da inocência acalentados,
cobertos com um manto de esperanças;

na praça da igrejinha, pelos bancos,
sentávamos juntinhos e felizes,
sem conhecer, da vida, as cicatrizes,
trocando entre nós olhares francos;

e a brisa deslizando em teus cabelos,
tornavam mais fermosos teus sorrisos,
teus lábios me roçavam, indecisos,
envergonhados com meus tolos zelos;

nas noites belas, céus aveludados,
seguíamos felizes, sem malícias,
sorvendo, desse amor, suas delícias,
pisando mil estrelas, descuidados;

por sobre as minhas vestes alvadias,
teus olhos deslizavam com mil pejos,
e eu me quedava morta de desejos...
Ah! Que saudades desses belos dias!

Ainda sinto desse amor o lume,
e pulsa dentro em mim essa saudade,
que chega sem detença e assim me invade,
deixando pelo ar o teu perfume.

Os dias se passaram! Meses! Anos!
E tudo se passou depressa, aos trancos,
e os meus cabelos já estão mui brancos,
sofri imensa dor e desenganos;

em mim me restam soledades tantas,
recordações dos tempos de inocência,
saudades tuas, esta confidência,
lembranças belas, tristes, sacrossantas;

e ao redobrar dos sinos, que tristura,
revejo tua imagem na neblina
do tempo que passou, mas não termina
com terno amor que dentro em mim perdura.

Livro: REALEJO, pg. 14-15s



 
Enviado por Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado) em 10/03/2011

Copyright © 2011. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Comentários