Textos


Renascimentos
Edir Pina de Barros

Chove, mas dentro em mim há grande estio
pois não derramo lágrimas sentidas,
cansei-me de chorar as despedidas
e de trazer no peito a neve e o frio.

 
Olho lá fora e tudo, tudo espio,
roseiras tão bonitas, tão floridas
contendo rosas já emurchecidas
e presas pelas hastes por um fio.

O tempo é mesmo assim, nos leva tudo,
é pássaro faminto e tão sanhudo
a devorar sementes de quimeras.

Mas traz em suas asas – eu suponho -
novas sementes de ilusões e sonho
que fazem renascer as primaveras.

Lira insana, 2016:pg.38
Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado)
Enviado por Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado) em 27/03/2016
Alterado em 20/10/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários