Textos


Queixume
Edir Pina de Barros

Ai! Essa dor que eu finjo que não dói,
que escondo nos porões da intimidade,
que às vezes vem à tona e assim me invade,
destila uma acidez que me corrói.
 
E quanto mais a nego mais destrói
a minha paz e luz, serenidade,
sem nada que a esvaneça ou a degrade,
com suas garras finas tudo mói.
 
Ah! Dor! Podias, sim, passar, de fato,
deixar os meus porões e o meu substrato,
virar um passarinho, um beija-flor.
 
Não vês que dentro em mim fizeste ninho
e que, tão só, aos poucos me definho,
carente d’algum gesto de candor?

Lira insana, 2016: pg.40
Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado)
Enviado por Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado) em 22/03/2016
Alterado em 20/10/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários