Textos


Sonhemos
Edir Pina de Barros

Mas como não sonhar se o sonho aviva
as esperanças, fontes de conforto?
Não sonha quem está, por certo, morto,
sem ver a luz de alguma alternativa.

 
Navio em alto mar, sem ter um porto,
sem âncora, horizonte, perspectiva,
vagando ao léu e só, sempre à deriva,
é aquele que não sonha, vive absorto

pensando apenas só na vil matéria, 
que é fonte de poder e de miséria,
também de dor, que o sonho sempre abranda.

Sonhemos pois, que o sonho regenera
os tons azuis-lilases das quimeras,
dos versos das modinhas de ciranda.

Lira insana, 2016: pg. 41
Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado)
Enviado por Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado) em 04/03/2016
Alterado em 20/10/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários