Textos


Súplica
Edir Pina de Barros

As águas do riacho vão rolando
rebeldes a romper as rasas margens
a revirar as relvas e ramagens,
roçados do rebaixo reciclando.

 
No rola-rola roça, quando em quando,
o raio e a roda, que há nessas paragens,
de roto engenho, a remexer paisagens,
que range e range, racha e vai rodando.

Riacho que rompante arrasta tudo
rebelde em seus rebojos, tão sanhudo
regenerando roças no arrabalde,

por que tu não reciclas minhas fráguas
e regeneras com rompantes águas
minh’alma quase morta de saudade?


Caixa de Pandora, pg. 81
Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado)
Enviado por Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado) em 01/02/2016
Alterado em 17/12/2016
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários