Áudios

Agridoce
Data: 16/05/2017
Créditos:
Texto: Agridoce
Autoria: Edir Pina de Barros
Voz e edição: Ariadne Cavalcante
Música: Ne me quite pas (Jacques Brel)
Interpretação: SC Randy
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Agridoce

Maldito é aquele cujos olhos não conseguem – ao perceber a alegria – deixar de ver ali também o quanto a dor (sempre nova, ainda que antiga), há nos contornos da beleza. Rodivaldo Ribeiro.

Maldito aquele que não vê a dor
que habita em cada réstia de alegria,
a lágrima que, em si, já prenuncia
silente feito um santo em seu andor;
 
a mesma velha dor sentida um dia,
mas renovada a cada novo amor,
que fere mais que açoite de feitor,
e causa, dentro em nós, mortal sangria.
 
Não há como fugir da finitude
de um grande amor em sua plenitude,
nem evitar a dor – que é o seu devir.
 
O amor, sempre agridoce desde a origem,
é fogo que produz, também, fuligem,
navalha sempre em riste, a nos ferir.
 
Brasília, 03 de Fevereiro de 2015.
 
Absinto e Mel, página 83
Sonetos selecionados, pg. 119
Enviado por Edir Pina de Barros (Flor do Cerrado) em 03/02/2015

Copyright © 2015. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.



Comentários